Qual é a importância da escuta ativa em prol dos adolescentes?

20 de janeiro de 2023


“A adolescência é um segundo parto: nascer da família para andar sozinho na sociedade. É pertencer a um novo grupo social, a turma de iguais ou pares”. Essa definição do psiquiatra, educador e escritor Içami Tiba retrata bem a vibe desafiadora (e um tanto “caótica”, convenhamos) que costuma nortear esse momento.   

Mudanças corporais, postura agressiva, brutas oscilações de humor. Forte tendência a questionamentos acerca dos mais diversos assuntos, busca por uma identidade bem definida, imediatismo e muito mais. Todos esses se fazem componentes complexos e presentes na vida de qualquer adolescente.

Contudo, apesar das dificuldades que são inerentes a essa fase de transição, um acolhimento apropriado com relação ao que os jovens sentem e pensam tende a fazer total diferença. E esse acolhimento, claro, não pode ficar restrito ao âmbito familiar. A escola pode contribuir (e muito!) para a manutenção do bem-estar dessa turminha que, em não raras vezes, fica com “os nervos à flor da pele”. É nesse contexto que a chamada escuta ativa ganha protagonismo e tem tudo para proporcionar inúmeros benefícios para os estudantes.

Por dentro do conceito  

Em suma, escuta ativa é uma ferramenta que possibilita diálogos através dos quais quem se coloca na condição de ouvinte o faz com a intenção de estabelecer reais conexões com os relatos do interlocutor (bem diferente da maioria das conversas que se pautam basicamente na “vez de falar”, sem haver uma preocupação mais exata acerca do que o outro está dizendo, né?).  

Um acolhimento apropriado com relação ao que os jovens sentem e pensam é fundamental.

Benefícios variados

A escuta ativa ajuda os adolescentes a lidarem melhor com problemas relacionados ao bullying, a desempenho escolar, retraimento social, à “famosa” sensação de não pertencimento e por aí vai. Além disso, é algo que estimula o desenvolvimento das competências socioemocionais, gera empatia, e, dentre muitos outros benefícios, possibilita ao jovem aprimorar suas vivências quanto aos relacionamentos interpessoais.   

Como viabilizar a escuta ativa na sua escola

O ideal é que esse trabalho possa ser viabilizado de forma mais direta por profissionais da psicologia. Mas saber observar, ter empatia e demonstrar interesse real em ajudar é muito importante. Assim como priorizar também interações cada vez mais humanizadas. Tudo isso constitui ações que qualquer pessoa que faça parte do dia a dia escolar pode fazer. E isso inclui gestores educacionais e professores.

E aí, sua escola oferece esse tipo de suporte tão importante para seus estudantes? Quais têm sido os maiores desafios encontrados nesse sentido?