“Capacitismo” no ambiente escolar: como prevenir e combater?

25 de novembro de 2022


“O mal da igualdade é que nós só a queremos ter em relação aos nossos superiores”. Essa potente reflexão do dramaturgo francês Henry Becque nos ajuda a despertar para um tema que às vezes não é levado em conta como deveria. E, logicamente, o ambiente escolar está incluso nisso. Mas você sabe como? 

Bem, o preconceito e a discriminação que são focados na capacidade das pessoas (geralmente pessoas com deficiência) recebe o nome de “capacitismo”. Nesse sentido, o uso de expressões como “retardado”, “mais perdido que cego em tiroteio”, “desculpa de aleijado é muleta”, “piadas” de péssimo gosto, atribuições de “apelidos”, dentre outras tantas práticas consideradas abusivas, não são ações exatamente raras de serem praticadas e percebidas entre os estudantes.  

Sendo assim, como o capacitismo pode ser combatido no ambiente escolar?    

A ideia aqui deve girar em torno de uma proposta de ensino inclusiva. Isso pode ajudar no processo de desconstrução de padrões que geram preconceito e discriminação contra pessoas com deficiência. Ações que promovam o tema “diversidade” entre os alunos também são sempre muito bem-vindas. Além disso, a cessão de voz e espaço às crianças e adolescentes que vivenciam de forma mais direta os inúmeros desafios relacionados a esse contexto deve ser considerada. Vale ressaltar também a importância de professores e demais colaboradores do colégio não tratarem de maneiras diferenciadas essas pessoas. Apesar de todas as dificuldades, todos nós temos potencial para sermos brilhantes. 

Imagem de Freepik
Imagem de Freepik

Outras ações importantes  

Como se sabe, o dia 3 de dezembro marca o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. E, claro, essa data também precisa ser parte do calendário escolar. A luta em prol da igualdade no colégio pode ser coroada com atividades super criativas e descoladas que visem conscientizar os alunos (das mais diversas faixas etárias) acerca do tema em questão.

Outra medida essencial é que os educadores mostrem aos estudantes quão erradas e prejudiciais são as chamadas “expressões capacitistas” (ilustradas no 2º parágrafo desta matéria). Os alunos devem ser orientados no sentido de não as usar de forma alguma, e convidados para reflexões não apenas em torno dessas expressões, mas de outras práticas preconceituosas, discriminatórias, segregacionistas.  

E aí, sua escola combate de forma efetiva o capacitismo? Que outras ações você, enquanto gestor (a) educacional, pode sugerir visando o fortalecimento dessa atmosfera de igualdade na sua instituição?