Sua escola tem um projeto socioemocional que seja eficiente para a educação infantil?

16 de janeiro de 2023


Habilidades socioemocionais são fundamentais na vida de qualquer pessoa. E o quanto antes elas crescerem, maiores serão as chances de o indivíduo desfrutar de uma vida mais saudável. Nesse sentido, projetos socioemocionais realmente adequados para a educação infantil são essenciais. A ideia é que se viabilize uma formação que possibilite não apenas bons desempenhos por parte dos pequenos em sala de aula. E, sim, que também fomente as condições necessárias para a construção de verdadeiros e resolutivos cidadãos no futuro.

Grande importância

Através de um projeto socioemocional eficiente, as crianças passam a compreender melhor as próprias emoções no ambiente escolar. Além disso, compreendem melhor também as emoções dos outros, especialmente dos coleguinhas. A ideia é que parâmetros como “consciência social”, “tomada de decisões”, “autoconhecimento”, “gestão de pensamentos e emoções” e “habilidades de relacionamento” se desenvolvam por meio das atividades que irão nortear o projeto no intuito de que haja uma otimização das relações interpessoais praticadas pelas crianças.

Como fazer?

São muitas as frentes possíveis quando a ideia envolve a criação de um projeto socioemocional destinado ao público infantil. Basta que se considere os parâmetros citados acima. E que a criatividade utilizada nesse contexto seja capaz de conceber práticas de fato viáveis. Além disso, precisa-se considerar os chamados “direitos de aprendizagem” previstos pela BNCC, a saber: “conviver”, “brincar”, “participar”, “explorar”, “expressar” e “conhecer-se”. Tudo isso deverá nortear o que será proposto.

A formação ideal vai muito além do preparo visando bons desempenhos dos alunos em sala de aula.

Nesse caso, o trabalho com o lúdico é praticamente um item “obrigatório” do planejamento. Desenhos animados, filmes e livros infantis podem servir de inspiração para muitas atividades que se mostrem atrativas para os pequenos. A cada história que vem à tona (através de uma prática de leitura, por exemplo), se pode escolher um sentimento em específico. E a escolha em questão pode ser debatida numa roda de conversa de forma bem imaginativa e eficiente (apenas para citar mais uma possibilidade).

Outro ponto muito importante diz respeito a opção por atividades que também possam incluir a participação das famílias das crianças. Quanto maior o nível de integração entre a escola e as famílias, melhores tendem a ser os resultados decorrentes do projeto. Vale ressaltar, claro, que jogos e brincadeiras educativas são alternativas que têm tudo para serem igualmente eficazes nesse contexto.

Para complementar  

Além de todas as atividades que já foram propostas, outras que não devem ser esquecidas são: ações que tenham por foco práticas de desenhos e autorretratos; régua ou painel das emoções; ações que possam viabilizar o compartilhamento de talentos entre os alunos e também ações que detenham um caráter solidário, abrindo a mente dos pequenos para a importância de se considerar o bem-estar da coletividade e de se fazer a diferença no meio social.