Tecnologia na educação: existem ressalvas quanto a essa parceria?

11 de setembro de 2023


O papel da tecnologia na educação torna-se, a cada dia, mais consolidado. E inúmeros benefícios são frutos desse processo. Mas é claro que a utilização da tecnologia, nesse sentido, não deve vir à tona “de qualquer forma”. Planejamento e metodologias estratégicas são necessárias. E fazem total diferença na otimização do ensino que, nesse caso, se estrutura com base nos auxílios tecnológicos.

Boa utilização

Essas estratégias devem incluir capacitações voltadas tanto para professores, quanto para alunos (tendo em vista o uso otimizado das ferramentas adquiridas). Isso, claro, significa que investimentos são necessários. E que o poder de participação da tecnologia no ensino varia de instituição para instituição, uma vez que depende da disponibilidade orçamentária que é inerente a cada escola.

Mesmo após ser concretizada a etapa de capacitação dos alunos, um cuidado importante precisa entrar em pauta e tem a ver com o possível mau uso das tecnologias que, ainda assim, pode vir a ser feito em sala de aula. Para que se evite isso, é interessante que os gestores educacionais considerem a implementação de plataformas controladas e/ou de um ambiente digital próprio de comunicação. Quer um exemplo? A Plataforma Sagaz, uma das soluções educacionais que a Vortex Educação disponibiliza para professores e alunos das suas escolas parceiras, tem tudo para que as vivências no meio digital priorizem a otimização do processo de ensino-aprendizagem em detrimento das distrações.  

Tempo de exposição às telas

Sim, essa é uma preocupação que não deve ser exclusiva das famílias dos alunos. As escolas, na medida em que vêm incorporando mais e mais nuances tecnológicas às suas respectivas propostas de ensino, também têm parte nisso.

Assim, especialmente quando se trata dos aprendentes mais jovens, o tempo de exposição às telas deve ser mensurado de forma bem planejada. Afinal, prejuízos na formação das crianças (em razão de possíveis excessos quanto a essas vivências) devem ser, a todo custo, evitados.   

Soma de forças

Outro ponto a ser considerado diz respeito ao “raio de ação” que é associado à tecnologia nesse âmbito. Sim, estruturas educacionais mais modernas são muito importantes. Mas elas não existem para substituir os métodos e instrumentos educacionais tradicionais. A ideia aqui é que seja fomentada realmente uma parceria entre essas frentes. Ou seja, de modo que uma possa complementar o que a outra tenha a oferecer. Em suma, por mais que a tecnologia avance de forma contínua em todos os pilares que sustentam o meio social, a humanização em todos esses processos se faz um componente insubstituível.

E aí, curtiu? Você descreveria outra (s) ressalva (s) quanto a esse contexto?