Você sabe como sua escola pode prevenir e combater o bullying de forma mais eficiente?

4 de janeiro de 2023


Em linhas gerais, o bullying se refere às práticas de violência física e/ou psicológica impostas de forma intencional e repetitiva entre os estudantes.  Pessoas consideradas mais “vulneráveis” são as vítimas “preferenciais” dessas práticas que sempre geram consequências sérias e, por vezes, irreversíveis.

Existem vários tipos de bullying e há muitos casos nos quais esses diferentes perfis de ações abusivas se revelam de forma simultânea, conjunta. Ou seja, o bullying pode ser físico, social, verbal, psicológico, material e ainda ter na internet seu meio de desenvolvimento principal (cyberbullying). E todas essas lamentáveis versões podem atuar ao mesmo tempo contra alvos específicos.

A práticas de bullying precisam ser sempre combatidas no ambiente escolar. E um bom trabalho de prevenção é também essencial.
A práticas de bullying precisam ser sempre combatidas no ambiente escolar. E um bom trabalho de prevenção é também essencial.

  

Sempre há muito a ser feito

Dessa maneira, é fundamental que os gestores escolares atuem no sentido de prevenir e, se for o caso, combater essas práticas tão nocivas.  As medidas que podem ser adotadas nesse contexto são simples, mas fazem toda diferença. Vamos a elas.

O incentivo voltado para a realização de atividades em sala de aula que tenham por foco a diversidade, bem como para eventos (palestras, por exemplo) movidos por temáticas dessa mesma natureza constituem ótimas possibilidades.

Além disso, trabalhos norteados pela dinâmica da cooperação entre os estudantes e o oferecimento de um apoio psicológico bem estruturado devem ser igualmente priorizados. Além disso, um trabalho de integração da instituição com as famílias na tentativa de se facilitar – através de olhares mais atentos de pessoas que sejam mais próximas dos jovens – a identificação de possíveis casos envolvendo bullying se faz algo igualmente importante.  

Omissão também deve ser combatida  

Logicamente a prevenção é sempre o melhor caminho, bem como a busca por uma atmosfera harmônica e acolhedora no ambiente escolar. Mas é também muito importante que as vítimas denunciem as agressões sofridas. E, claro, vale para as pessoas que não sejam alvos diretos de práticas abusivas, mas que têm consciência de que estas têm ocorrido com outrem. Em situações assim, a adoção de uma postura omissa é o mesmo que garantir participações ativas nas agressões propriamente ditas – e essa equivalência precisa ficar muito clara para todos os alunos.  

Por fim, vale ressaltar que o agressor também precisa receber muita atenção (e não só a vítima) no intuito de que possa aprimorar seu comportamento no meio social e colocar mais na prática as tão necessárias noções de empatia, amor ao próximo e respeito às diferenças.